Pesquisa Nibelung´s Alliance

domingo, 22 de julho de 2012

O Destino, Wyrd no Odinismo




Olá a todos! Hoje vou trazer a vocês um assunto bastante complexo no Odinismo, algo que muitos desconhecem todos os seus Caminhos e que uma palavra pode ser interpretada de muitas formas diferentes e seguir diversos pontos vista “o Destino”.

A primeira coisa que vem a mente de um Odinista quando se fala em destino são as três sábias Nornir, elas comandam o destino dos homens ao pé da grande  arvore Yggdrasil e o único que pode adentrar esse lugar sagrado e opinar no destino dos Homens é o deus Thor. Essa deve ser a maneira mais comum de se ver o Destino no Odinismo, mas existe outra forma de ver o destino muito usado pelos Antigos são a existência de muitas deusas do Destino as “Nornir”, a crença gira em torno de que quando uma criança nasce juntamente com ela nasce uma Norn, essa crença é muito plausível, pois Thor mesmo possui nove filhas Nornir, essas deusas podem ser de qualquer raça sendo Æsir, Vanir e Álfar, e junto com esse modo de ver surgem dois pontos de vista.

Tendo em mente que quando uma criança nasce juntamente com ela nasce sua Nornir podemos entender e crer que:

1. Cada pessoa possui uma Deusa Norn tecendo seu Destino e decidindo seus caminhos, isso faz crer que ou as Três sábias Nornir não interferem na vida dos homens ou que estão em uma hierarquia superior às deusas Nornir.

2. Devido ao fato de o Destino estar presente no mundo nórdico surgi o pensamento de querer se livrar da imposição, e grupos como o próprio Allmáttki Àss defendem o destino como nós mesmo que fazemos, nós escolhemos nossos caminhos e a Norn destinada a cada um de nós tece nosso “Destino” nossas ações o que forma nossa história. (Essa é a visão de Allmáttli Àss e minha Tiago Maglor).

Com isso Lanço uma frase muito boa sobre destino no mundo “nórdico”, e muito famosa entre seus seguidores, que surgiu no poema de Beowulf e resurgiu nas Obras do renomeado escritor Bernard Cornwell.

Wyrd bið ful ãræd “O Destino é Inexorável”.

Seguindo o pensamento dessa frase, que é o pensamento mais comum no Odinismo tomamos que ninguém pode fugir do Destino, que não importam os seus atos e escolhas você sempre será guiado para lugar já lhe escolhido, porém, seguindo o segundo ponto de vista apresentado acima em que nós decidimos nosso próprio Destino, o modo de ver do Allmátkki Àss tomamos essa frase como: “O destino está inexoravelmente a nossa volta, não podemos fugir dele, mas podemos decidi-lo, ou seja, os fios que tecem nosso destino e História esta inevitavelmente nas mãos de nossas Nornir, mas as escolhas nos pertencem” (Tiago Maglor – Allmátkki Àss).

Obrigado a todos os que acompanham o Nibelung’s Aliance e que acompanham meus post, até o próximo post e lembrem-se “O Destino é a gente quem faz”.

Hagl Æsir og Vanir!

9 comentários:

  1. Obrigado, meus últimos posts tem saido um pouco do padrao neutro do Nibelungs Alliance, e tenho mostrado minha opiniao e pontos de vista do meu Kindred e nao sabia como as pessoas veriam essa abordagem, bom ver que estao gostando.

    ResponderExcluir
  2. Muito bom mesmo o post, tomara que venha muitos post desse nipe.

    Desculpa minha ignorância mas a frase "Wyrd bið ful ãræd" esta em qual idioma.
    Vlw.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. tá em saxão antigo... lingua antecessora ao ingles

      Excluir
  3. errata: quis dizer "não dogmáticas"!

    ResponderExcluir
  4. Estou lendo os livros do Bernard Cornwell (da saga Crônicas Saxônicas) e parece que ele adora essa frase. Toda hora o personagem principal fica filosofando sobre o destino dele e como ele não pode evitá-lo. Mas acho que ele segue o ponto de vista do Allmátkki Àss, ou não faria sentido pra mim: ele fica o tempo todo procurando por sinais dos deuses, na chuva, em uma fogueira, num pássaro que passou voando por ele, qualquer coisa que mostre a ele qual caminho seguir e o que ele deve ou não fazer. Se ele não pode fazer escolhas, qual seria o sentido de os deuses lhe enviarem sinais avisando sobre o que está por vir?

    Mas, o que ele vê são apenas sinais, a escolha ainda cabe a ele. Pelo que entendi ele pode fazer as decisões dele, mas no final, o que as fiandeiras decidirem acontecerá. Ele pode fazer mudanças, mas nenhuma muito importante. E realmente é o tempo todo assim: ele planeja um monte de coisas, se previne como pode para evitar que algo aconteça, mas no final, tudo muda e as fiandeira (ou o autor, no caso) fazem o que querem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato quando digo "esse é meu ponto de vista" é porque independente do que muitos pensam a religião não é variável mas muito que vemos é interpretativo e interpretar é o problemas pois ninguém pode afirmar o que é certo ou errado nos apegamos no que julgamos assim, no caso do wyrd é como eu disse e você ressaltou o destino é inexorável como você viu em Bernard mas nos temos opções e escolhas isso também é inquestionável e isso é a visão do Allmáttki Áss.

      Excluir
  5. Muito bom o seu post, cara! A conclusão foi sensacional.
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  6. quem nasce com a criança é sua fylgia, esse nome está até associado à placenta que nos envolve no útero materno, a fylgia pode tanto vir de um antepassado teu e ficar contigo até o final da tua vida ou pode simplesmente surgir quando seu espírito surgiu sempre ajudando no seu destino, dizem que no momento da morte podemos vê-la se afastando...

    ResponderExcluir