Pesquisa Nibelung´s Alliance

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Kostr, Casamento Viking

Olá galera, desculpe tenho estado ausente, mas volto hoje com um post sobre cultura Odinista / Ásatrú, Kostr, o casamento viking.


Como eu disse o Kostr é o casamento viking então tem muitas influencias da época, não só da crença Odinista em si. O posta abaixo é um apenas um resumo sobre o casamento, retirado do site do Troth, quem quiser mais detalhes temos um trabalho disponível para download:


O casamento nórdico consistia em duas partes o noivado e o matrimônio (brullaup), Tudo iniciava com o noivo ou pai do noivo tratar do matrimônio com o pai ou guardião da noiva, então era feita uma ‘proposta’: o dote da noiva (mundr); na Islândia, o preço mínimo seria 8 onças de prata (1 onça: 28,349 g) e na Noruega 12. Em troca, o pai da noiva prometia levar o dote (heiman fylgja) após o matrimônio, e esse dote era acoplado ao patrimônio da noiva. O noivo e o guardião da noiva fecham então o contrato matrimonial apertando às mãos na frente de duas testemunhas, pois na época a principal forma de se fechar algo era com sua palavra, isso encerrava o noivado e a noiva poderia concordar ou não, mas isso não era muito importante já que o casamento principalmente era feito para unificar famílias, laços entre tribos, etc. Viúvas tinham mais liberdade e respeito que as mulheres solteiras. Mas nem a idade nem a falta de virgindade eram estorvos para o casamento. 
   O casamento nada mais era que uma grande festa que as famílias davam e todo Kindred comparecia, a união era tida como judicialmente legal após os noivos serem visto na festa matrimonial por seis pessoas. O vestido da noiva era feito pelas meninas da tribo, o vestido era bordado com muitos enfeites, a noiva usava uma coroa de flores ou de algum metal precioso, muitas jóias de prata e ouro e anéis de ouro eram muito comuns em casamentos de diversas classes. A festa do matrimônio era feita geralmente na casa dos pais da noiva cabendo ao anfitrião da mesma, preparar com antecedência de seis meses as bebidas  do casamento, entre elas o famoso mjoðr (Hidromel), sendo esse o fator que originou o termo “lua de mel” para o momento pós-celebração. Na cerimônia, eram comuns os rituais utilizando espadas ancestrais, com o noivo recitando sua linhagem e a sabedoria do clã. Entre os karls (fazendeiros), era comum a utilização do mjölnir, o martelo deThor, para prover a fertilidade da noiva e esse um item era muito usado em casamentos e funerais devido ao fato de Thor ser o deus guardião de Midgardr, o que o tornava muito famoso talvez até mais que Odin para os antigos. O dia mais requisitado para a celebração era a sexta-feira, o dia de Frigg a esposa de Óðinn, guardiã do lar, protetora da gravidez, maternidade e dos casamentos. 
 Bom galera esse é mais um post sobre a cultura nórdica Odinista, espero que tenham gostado, até a próxima.

Bibliografia: O Troth.



Hagl Æsene og Vanene

12 comentários:

  1. Belo post, eu nao conhecia muito desse assunto. valeu Maglor

    ResponderExcluir
  2. bibliografia meio fraca... poque entao nao posta logo o texto do troth?

    ResponderExcluir
  3. O texto do O Troth é muito bom porem achei q tivesse coisas inúteis e preferi colocar informações pouco vistas.

    ResponderExcluir
  4. o texto eh do o troth...mas historiacao sobre isso eh muito vaga, e hj em dia o cristianismo deturpou a antiga tradicao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. e a foto n eh de um casamento..eh de outro ritual islandes

      Excluir
  5. A Foto não é tão Detalhada, então qualquer hipótese sobre ser um outro ritual não é concreta, e como eu disse o texto é do o Thoth porem retirei algumas coisas que considerei desnecessário.

    ResponderExcluir